quarta-feira, 20 de novembro de 2013

CELEBRANTE DE CASAMENTO E A HOMILIA

Homilia é uma preleção dada pelo Oficiante de Casamento no decorrer da cerimonia. A homilia tem a função de explicitar o significado do amor, esperança, alegria, união dos noivos e dos vários elementos litúrgicos simbolizando essa união do casal, utilizando a historia breve que os noivos passam ao oficiante antecipadamente. Na prática, a homilia deve ser uma"conversa familiar" do Oficiante com os noivos interagindo com os pais e padrinhos. Um momento em que se fala dos planos e sonhos do casal relembrando momentos marcantes do namoro e noivado. Esse momento fica rico e valioso com o breviário enviado pelos noivos para confecção da homilia. Quanto mais conteúdos os noivos passarem mais emocionante e vibrante será esse momento marcante.

Preparando a homilia

É importante que o Oficiante leia alguma explicação sobre as leituras proclamadas. É preciso também lembrar os acontecimentos mais significativos da vida dos noivos. Caso a homilia não seja feita por uma pessoa só, é importante que a prepare ligando Bíblia, vida e celebração. Não deve ser lida, mas comunicada. Por isso, é melhor escrever apenas alguns tópicos com a seqüência do assunto, não o texto inteiro. Não é através de livros, artigos e teorias que se aprende a fazer uma homilia. A homilia como comunicação viva se aprende e se aperfeiçoa "fazendo homilia". Esta arte exige um mínimo de "dom e carisma" de comunicação da palavra falada e do gesto. Mas não fica no "Dom", pois supõe a aprendizagem da técnica e da competência. A maneira de dizer chega muito mais ao outro do que o que se diz, sobretudo se trata de falar ao coração e não simplesmente à inteligência.

Antes da homilia

Ter a sensibilidade para perceber tudo o que é vida através das conversas informais, leituras, as expressões verbais ou não verbais em uso, ocorrências e tudo mais que é vida. A exigência fundamental é o contato com as Sagradas Escrituras ao longo da semana, ao longo da vida diária num processo de fermentação; descoberta da ideia-força e da palavra-chave; a criatividade em busca de um "gancho" do sonho e concreto para "prender" os destinatários; conhecimento básico e vivo da família e padrinhos (nunca descer de helicóptero para fazer uma homilia e depois levantar vôo, o que pode acontecer mesmo com quem está presente na celebração, mas ao mesmo tempo voando).

Momento da homilia

O momento da homilia é parte integrante de um momento maior, que é a ação celebrativa toda do matrimonio. A comunicação da homilia deve buscar ser:
  • Um tom familiar, direto, alegre, seguro, convicto, simples, espontâneo e solto;
  • Uma linguagem da vida da noiva e do noivo, desprovida de qualquer pretensão de ser o moralista que sabe, o "dono da verdade". Portanto, boa dose de humildade, demonstrando (sem ter que dizer) que o primeiro necessitado e carente da Palavra é ele próprio.
  • Uma comunicação penetrada da dimensão humana, usando a linguagem integral, gestos adequados, expressão corporal, postura do olhar buscando ver todos sem se fixar em ninguém a não ser quando necessário para um ´efeito´ especial de comunicação, movimentos sóbrios, mas vivos e perceptíveis por todos, silêncio bem dosado e na busca da participação dos ouvintes, perguntas diretas e penetrantes, com pausa suficiente para chegar ao coração e ao pensamento de quem ouve.
  • Uma duração que leve em conta o tempo total da celebração, sabendo-se que manter a atenção de uma comunidade grande depois de 10 a 12 minutos de fala é dom para muito poucos pregadores;
  • Um uso correto da voz através da dicção, articulação, movimento de frases, realce de expressões-chave, sonoridade, sabendo aproveitar a tessitura aguda ou grave que toda voz tem;
  • Uma utilização, no mínimo, correta do microfone, levando em conta a acústica, as dimensões do local e o número dos presentes;
  • Uma dose exata e viva de emoção, falando sim com a voz, mas comunicando com o coração e com a vida. É de coração a coração que se faz uma homilia, sobretudo se já se compreende que celebrar é muito mais emocionar-se do que entender;
  • Um cuidado carinhoso para com a celebração que vai continuar após a homilia. Esta continuidade dá margem a aproveitar momentos posteriores à homilia e nos quais se pode retomar (sem fazer outra homilia) o tema central da Palavra refletida, sobretudo o momento da despedida.

Após a homilia

Uma revisão pessoal imediatamente depois de terminada a homilia, num breve momento de silêncio. Este silêncio ajuda a fazer ressoar no coração dos ouvintes a reflexão e ajuda a uma revisão rápida, mas direta de como foi a homilia. Ouvir a avaliação de uma pessoa escolhida com antecedência para fazer as observações, críticas, elogios, comentários e perguntas, que devem ser acolhidas para um futuro aproveitamento e sempre com o objetivo de melhorar. e de ter amor em Deus

Fonte: Wikipédia

Khaleb Bueno
Oficiante de Casamento