terça-feira, 16 de fevereiro de 2016

ACESSORIA, ACESSORANDO E ASSASSINANDO O CERIMONIAL SOCIAL

“Acessoria, Acessorando e Assassinando o Cerimonial Social”
Tenho analisado muito as redes sociais, reparando diversas fotos e conhecendo os novos profissionais.
Refiro-me aqueles que estão cheios de garra para adentrar (já estando dentro) no mercado de "festinhas" e não de Eventos, porque acham fácil ganhar dinheiro sem ter capacitação e tão pouco conhecimento.
Eles comentam que é tão fácil ser "ACESSORISTA" que agora a Noiva pode até entrar antes do Noivo (podem acreditar nisso).
É a mais nova, absurda, criatividade do momento.
Como se não bastasse o cortejo se retirar do altar antes dos Noivos, agora inventaram que a Noiva poderá entrar antes do Noivo.
Socorro!! Cortaremos os pulsos.
Essa opção desqualificada é para que não tenham trabalho algum para pensar, afinal, muitos acham que trabalhamos com um cortejo coreografado sem precisar fazer o correto, pois o mais ou menos já fica perfeito.
O mais interessante é ver que, logo após cinco eventos, esse grupo está prontinho para dar Palestras ou para dar Cursinhos com o título:
“Acessoria, Acessorando e Assassinando o Cerimonial Social”.
O mercado está naufragando, com pessoas abraçadas a um grupo que está enganando a muitos clientes.
Como eles enganam?
Usam fotos de eventos que jamais realizaram;
Retiram vídeos do YouTube;
Estão copilando textos do google como se fossem seus.
É aí que mora o perigo.
E assim caminha a humanidade.
Não vamos esquecer aqueles que falam bonito.
Nossa! Isso diante do cliente fica envolvente demais.
Agregado a implacáveis qualidades, mesmo que sejam inexistentes, fica impossível presumir que aquela pessoa não é verdadeira, principalmente para um cliente que está pela primeira vez procurando um honesto profissional.
Não pensem que o mercado está absorto a tudo isso, porque eu poderia mostrar diversas informações que recebo in box, apontando alguns desses profissionais do nosso país, que estão plenamente dentro do perfil acima narrado.
É uma vergonha!
Eu não acho injusto o crescimento do nosso mercado ou a concorrência e tão pouco coloco em julgamento que a atração por eventos leve uma legião de pessoas a sonhar em ser um profissional dessa área, isso é plenamente refinado, mas tenham, acima de tudo, domínio sobre o que irão executar e usem os seus próprios instrumentos.
Como podemos ter credibilidade em uma pessoa que não consegue escrever corretamente o seu próprio ofício?
Fica a dica!